Recordar é Viver (ou Morrer de Raiva)


Luciano Rezende

A internet está repleta de mensagens, documentos e dados diversos sobre os candidatos. A maioria muito elucidativa sobre quem é quem nessa peleja eleitoral.

Mas alguns fatos passam despercebidos. Os números não mentem, mas outros elementos são importantes virem à tona para o melhor entendimento da importância de se eleger Dilma e manter a continuidade da política iniciada por Lula.

O simples (nem tão simples assim) fato de o governo Lula/Dilma não ter assinado a Área de Livre Comércio (Alca) articulada ainda no governo FHC com os Estados Unidos, é fato merecedor de grande reconhecimento pelo povo brasileiro. Não fosse isso estaríamos em condições parecidas com o México. Isso sim seria um autêntico processo de “mexicanização” de nosso país. O Mercosul mostrou ser o melhor contraponto.

As greves gerais que pipocavam todos os anos por todo país, resultado do descontentamento generalizado dos trabalhadores, diminuíram sensivelmente no atual governo, fruto de uma melhoria nas condições de trabalho e na renda da classe operária.

A diversificação de nossa pauta comercial internacional, ampliando laços com países estratégicos como a Índia, Rússia, África do Sul e China, mostra a amplitude do governo Lula, que sem estremecer as relações com os EUA ou a Europa, conseguiu aumentar substancialmente nossas divisas e relações fraternas com os países de todo o mundo. No passado, quando os nossos vizinhos do norte davam um espirro, ficávamos gripados de tabela.

Os grandes conflitos e massacres (Carandiru, Corumbiara, Eldorado dos Carajás, Unaí) foram minimizados. É um governo mais sensível às demandas sociais e intervém para reduzir os grandes impasses sem a truculência dos exterminadores da direita mais raivosa.

A ciência nacional vive umas das fases mais esplendorosas. Recursos, apoio institucional e valorização da pesquisa fazem com que o país progrida no cenário internacional de produção científica. Antes, no governo FHC, a máxima era de que o país não necessitava investir em ciência nacional, pois poderia se comprar a tecnologia pronta de fora. O cúmulo do acabrunhamento do pensamento nacional.

Na década passada, nas grandes passeatas dos movimentos populares, a bandeira mais presente era a do Fora FMI. O atual governo pagou a dívida com o Fundo e deu um recado ao mundo de que não precisa seguir o receituário neoliberal.

A aproximação com o continente africano, com convênios e parcerias diversos, através de universidades e institutos de pesquisa como a Embrapa, revela o novo momento histórico que vivemos, de valorização de nossa matriz africana e solidariedade internacional. A temática racial ganhou força através de políticas inclusivas e elevação da auto-estima do nosso povo. Nas comemorações dos 500 anos do Brasil, só a elite participou.

A intervenção da mulher na sociedade, principalmente numa tradição política altamente machista (só uma mulher eleita deputada federal na Bahia, a comunista Alice Portugal, por exemplo), é alvo de grande celebração por todos e todas. Esse foi o governo que pautou os diversos temas feministas, implantando a Secretaria de Política de Mulheres. O ápice vai ser a eleição da primeira mulher presidente do Brasil.

No governo Lula a auto-estima do brasileiro elevou-se como nunca. O PSDB e a grande imprensa tentou ridicularizar a campanha “Sou Brasileiro e Não Desisto Nunca”. No governo FHC/Serra o “complexo de vira-lata” imperava.

Tantos outros exemplos podem ser resgatados. Todos eles, infelizmente, passaram batidos nestas eleições ou foram pouco explorados. Lamentável, pois todos têm grande carga simbólica e demonstram como o país se tornou mais justo, inclusivo e soberano.

Ao olhar para trás, vem o misto de alegria e indignação. Os avanços conquistados não podem ser ameaçados por um passado de preconceitos, exclusão, machismo e submissão.

* Engenheiro agrônomo, mestre em Entomologia e doutorando em Genética. Professor do Instituto Federal do Amazonas (IFAM).
* Opiniões aqui expressas não refletem necessariamente as opiniões do site.

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

3 comentários:

Giba disse...

Concordo que o governo Lula fez algumas melhorias significativas em nossa política e que também conquistou alguns benefícios de importancia relevante, mas eu vejo a Dilma da mesma maneira como eu via em São Paulo, Celso Pitta.
Eu acredito que o PT escolheu muito errado a pessoa para suceder o Presidente Lula.
Mas de qualquer maneira, respeito plenamente sua opinião.
Um grande abraço
Giba

janio disse...

Olá Marivan:

Eu concordo com alguns fatos e discordo de outros, como é o caso de trocar a dívida externa pela dívida interna, mantendo o crescimento da dívida pública.

Fora isso, é bom ver algué mostrando o outro lado do poder, já que a grande maioria, tanto na internet, quanto fora da internet, tem divulgado o outro lado.

Eu concordo com o Gilberto que a escolha de Dilma não foi a melhor escolha, as um dia já achamos que o Lula ia quebrar o Brasil, isso não aconteceu e mídia ficou desacreditada.

ABs

freiconvento disse...

A demonização do candidato oposicionista, José Serra, proposta por esse artigo, endeuza uma conduta salpicada de imoralidades e ilegalidades, expurgadas do processo conjuntural das personalidades envolvidas. Estabelece comparativos maliciosos sem, no entanto, levantar o tapete de sua própria sala. O presidente Lula abandidou-se e permitiu a salada corrupta se aninhar no seu governo. Não foi deposto por causa das articulações políticas num submundo onde quase todos estão, ou estavam, afogados no chorume das excrescências da corrupção. Poucos não foram atingidos. Mas se mostraram impotentes pois em menor número, foram derrotados em suas contraposições, e seus votos foram pelo ralo. A comandante Dilma, cuja ficha criminal faz inveja a fernandinho beira-mar. Tanto é verdade que a tal ficha, foi protegida pela cupincha dela e por outro lacaio do mesmo padrão político-imoral, e assim a sociedade brasileira ficou no desconhecimento da legítima e intransferível cara da senhora Dilma Vana Roussef. Porque esse currículo de causar inveja a qualquer pocilga, não foi divulgado por ela. Que mal haveria em seus soldadinhos e conluiados, saberem da realidade do passado de sua grande líder. Particularmente, eu penso ter sido um erro de estratégia de sua assessoria. Teria sido de maior valia a divulgação, porque com certeza, a ex-terrorista, já estaria eleita com todos os votos perdidos para Marina Silva, e estaria sem passar por constrangimentos como esses que vemos agora. Escândalos sobre escândalos. Por outro lado, há uma certa dose de gostar de sofrer com essa situação. Personalidades doentias precisam de alavancas para ignar.

Postar um comentário