O ovo da serpente


Carlos Pompe *

Há um inegável avanço do pensamento da direita, conservadora e reacionária, no mundo e Brasil. A campanha presidencial brasileira, com cúpulas religiosas alvoroçadas em ações contra Dilma Roussef – a candidata dos progressistas –, e o avanço de políticos ligados ao grupo Tea Party, do Partido Republicano dos EUA, são evidências desse avanço. A esquerda, em especial os marxistas, não podem arrefecer a necessária luta teórica contra essa onda que ameaça afogar a autoconsciência dos trabalhadores.

 
Pode-se discernir o réptil perfeitamente concebido  
O avanço do irracionalismo não se dá apenas na América. No dia 17 de outubro, o Partido Comunista Português analisou a situação de seu país e registrou que “o capitalismo revela de forma mais evidente o caráter opressor, a natureza exploradora, os crimes e limites do sistema”, denunciando também a “profunda e poderosa ofensiva ideológica do grande capital visando a resignação e o conformismo”, o persistente “recurso ao anticomunismo, revelador do receio que as classes dominantes têm da ação organizada e do papel da classe operária e dos trabalhadores”.
No Brasil, a campanha eleitoral deixou clara a força do pensamento conservador, que tem voto e influiu principalmente nos discursos dos candidatos mais votados à Presidência. Analisando o episódio, o professor titular de Ética e Filosofia Política na Universidade de São Paulo (USP), Renato Janine Ribeiro, considerou esta uma “franja eleitoral que estará presente no debate nos próximos quatro anos. Esse tipo de pauta não vai desaparecer. Vai voltar em vários momentos. A primeira questão é saber como isso vai se configurar. Até porque existe uma tendência mundial de construir um pensamento conservador que tem forte densidade eleitoral. A gente vê isso nos EUA, na Europa, e vai ver no Brasil de uma maneira ou de outra.”
Outro uspiano, Robert Sean Purdy, professor de História dos Estados Unidos, afirmou, sobre o crescimento do movimento Tea Party: "O clima mudou muito nos dois anos (de governo Barak Obama). Antes, havia uma oferta de política nova, mas, pela falta de alternativas, a direita passou a dominar o cenário, com propostas que há dez anos seriam consideradas loucas: contra imigrantes e mesquitas, por exemplo. É uma situação diferente".
Nesse rastro reacionário que assola o mundo, a estudante de direito paulistana Mayara Petruso postou no Twitter: "Nordestisto (sic) não é gente. Faça um favor a São Paulo: mate um nordestino afogado!". Não é um pensamento novo: há anos, um dos jornalistas mais cultuados da grande mídia, Paulo Francis, teve cancelada a sua coluna no Diário de Pernambuco por expressar pensamento semelhante – como o jornal era nordestino, doeu nos brios... Mas todos sabemos que, quando a Mayara manda afogar nordestinos, não está pensando no senador pernambucano Sérgio Guerra (presidente do PSDB e dirigente da campanha do Serra) e nem no senador potiguar José Agripino (DEM). Está pensando nos nordestinos “vidas secas”, que existem e nascem em todos os recantos do país.
O cineasta Ingmar Bergman realizou, em 1977, o filme O ovo da serpente, mostrando o crescimento do irracionalismo – e a indiferença da maioria da população a esse fenômeno – na Alemanha pré-nazista. É do filme este alerta: “Ninguém vai acreditar em você, apesar de que qualquer um que fizer um mínimo esforço pode ver o que lhe espera no futuro. É como um ovo de uma serpente. Através das finas membranas, pode-se discernir o réptil perfeitamente concebido”.

Raciocinemos juntos no twitter: @marivanwebradio

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

1 comentários:

Evoluimos? disse...

Ótimo texto Marivan, acredito sim nessa força crescente da direita, isso realmente é inegável, só não concordo com os meios utilizados para se chegar a essa força, vide a última campanha panfletária e caluniosa.
Acho que as pessoas precisam sim acordar politicamente e não se deixar levar por uma onda de cegueira ou ficar preso por programas sociais.
Abraço.

Postar um comentário